Há algum tempo, fiz um workshop com um fotógrafo estrangeiro e muito renomado no mundo da fotografia. Em certo momento, os fotógrafos que ali estavam apresentaram algumas imagens para uma leitura crítica do portfólio, e dentre as minhas fotos, haviam dois momentos de mães amamentando seus filhos.

Nas duas imagens, ele ressaltou que eu poderia realizar um corte diferente nas mesmas, para que a amamentação não ficasse tão explícita. Foi então, que percebi o quanto nossas visões de mundo eram diferentes e como a cultura e a bagagem que cada um carregava era responsável por percepções distintas das mesmas imagens.

Aprendi muita coisa nesse dia, revi muitos conceitos, muitas lições foram acolhidas, outras foram guardadas e esta, especificamente, foi deixada de lado, pois nada me tira a certeza da naturalidade e beleza desse momento único entre mãe e filho. Acredito que promover esse ato de amor é um incentivo para que nenhuma mulher jamais se sinta repreendida ou constrangida em alimentar o seu filho.

E para marcar a 25ª Semana Mundial da Amamentação, em 2017, agosto foi definido no Brasil como o mês de incentivo à amamentação! Isso mesmo, um mês inteirinho para celebrar e conscientizar toda a população sobre a importância do aleitamento materno.

 

O “Dourado” não foi escolhido por acaso, ele representa o alimento de ouro para a saúde dos bebês: são aproximadamente 250 substâncias bioativas, além de possuir vitaminas, proteínas, açúcares, gordura e água. Um alimento completo que protege o bebê contra infecções, alergias, doenças cardiovasculares, alguns tipos de câncer e muito mais. A mãe também é beneficiada pela amamentação, que ajuda a prevenir a depressão pós-parto, auxilia a perda de peso e também diminui o risco de câncer de mama, endométrio e ovário.

E a natureza, sabia e perfeita como ela só, aproveitou ainda esse momento como uma das formas mais íntimas de fortalecer o vínculo emocional que une mãe e filho.

Desde o nascimento, os bebês são capazes de enxergar com facilidade objetos que se movimentam a sua frente, a uma distância aproximada de 20 cm.

Essa é justamente a distância entre os seus olhos e rosto da mãe durante a amamentação.

Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, o processo de amamentar não é simples e muitas mulheres enfrentam dificuldades, principalmente na fase inicial da vida do bebê.

Por isso, orientação correta, apoio e informação de qualidade são muito importantes e poderão fazer toda a diferença! No Rio de Janeiro, o Centro Integrado Bella e o espaço Materluz, por exemplo, oferecem cursos focados em amamentação. Já o Blog Pediatria Descomplicada, criado pela Dra. Kelly Oliveira, reúne uma série de artigos respondendo dúvidas e abordando as principais dificuldades enfrentadas pelas mães.

Abaixo segue uma seleção de imagens, que transbordam amor e mostram como amamentar está longe de ser um tabu, mas sim puro amor.

Fonte:

– Filhos: da Gravidez aos 2 anos de idade – Sociedade Brasileira de Pediatria – Editora Manole

– Dia a dia do bebê: cuidados, desenvolvimento, orientações e rotina no primeiro ano de vida – Dr.Ilona Bendefy – Editora SENAC

– https://bebe.abril.com.br/amamentacao/por-que-este-mes-foi-determinado-como-agosto-dourado/